“Um não sei quê, que nasce não sei onde,/Vem não sei como, e dói não sei porquê.” Luís de Camões

"Na dor lida sentem bem,/Não as duas que êle teve,/Mas só a que êles não têm." Fernando Pessoa

"Lividos astros,/Soidões lacustres.../Lemes e mastros.../E os alabastros/Dos balaustres!" Camilo Pessanha

"E eu estou feliz ainda./Mas faz-se tarde/e sei que é tempo de continuar." Helder Macedo

"Conchas, pedrinhas, pedacinhos de ossos..." Camilo Pessanha

“Vem, vagamente,/Vem, levemente,/Vem sozinha, solene, com as mãos caídas/Ao teu lado, vem” Álvaro de Campos

"Chove nela graça tanta/que dá graça à fermosura;/vai fermosa, e não segura." Luís de Camões

domingo, 4 de março de 2012

Um lugar vazio

      
       Um dos nomes maiores do cinema europeu actual, Nanni Moretti, que já nos tinha dado filmes muito bons, como "Sonhos de Ouro"/"Sogni d'oro" (1981), "Palombella Rossa" (1989), "Querido Diário"/"Caro diario" (1994), em que percorreu os caminhos de Roberto Rossellini, e "Abril"/"Aprile" (1998), viu estreado entre nós o seu mais recente filme, "O Quarto do Filho"/"La Stanza del figlio", (2001), justamente premiado em Cannes.
     A tranquilidade latina de Nanni Moretti, que nunca perde de vista um pendor para a exuberância e a auto-ironia, tem-se dado bem com os dados excessivos de uma situação trágica, ou que dela se aproxima (vejam-se, por exemplo, os seus dois filmes imediatamente anteriores estreados entre nós), do mesmo passo que o tem afirmado como o primeiro e o melhor continuador da tradição cinematográfica italiana do pós-guerra. Com "O Quarto do Filho" ele instala-se no coração do drama familiar, com o casal composto por Giovanni/Nanni Moretti e Paola/Laura Morante, que vive uma vida burguesa e tranquila com os seus dois filhos e vê um deles, Andrea/Giuseppe Sanfelice, morrer num acidente.
                                            
       O caminho fácil para tratar este tema era o de nos dar todo o excesso de dor da parte dos familiares sobreviventes, acentuado pela sua origem latina. Não é esse, porém, o caminho que o cineasta escolhe.
       Num minucioso trabalho de construção visual e narrativa, Moretti, que tinha começado por nos dar em meia dúzia de traços polvilhados de humor geracional o ambiente familiar, dedica-se a encenar o lugar vazio, o lugar deixado vazio pela morte de Andrea. Para isso socorre-se da "mise-en-scène" e da presença da presumível namorada do desaparecido, bem como de uma viagem que os pais e a irmã dele empreendem em conjunto com ela para a levar onde ela pretende ir, e que serve como luto comum e preparação para a nova situação: a ausência de Andrea. Mas como não é nem um principiante nem um diletante, o cineasta utiliza com grande felicidade a expressividade física e em especial fisionómica dos seus actores, nomeadamente de Laura Morante e dele próprio, para nos transmitir todo o sentimento de desolação e de perda que inevitavelmente invade a família, e utiliza esses elementos como parte da "mise en scène" na construção, com o espectador e para o espectador, do vazio como espaço físico mas também, e até fundamentalmente, como espaço interior. Para o conseguirem as personagens movimentam-se, viajam, para poderem depois, sem esquecer mas mantendo o quarto vazio como realidade viva na memória (um espaço mobilado de recordações), prosseguir todos em frente, cada um no seu próprio caminho.
     Para quem, dentro da crítica cinematográfica, começou por ver em Nanni Moretti um sucedâneo europeu e italiano de Woody Allen, é mais que tempo de reconsiderar essa impressão inicial e de começar a enunciar o "caso Moretti" como um dos mais singulares e importantes do cinema contemporâneo. Se é certo que há uma certa melancolia que ele partilha em certos momentos com alguns filmes de Woody Allen, há também uma pessoal e forte relação entre Moretti e o seu país, a Itália, que o leva a procurar as suas origens pessoais e as da cinematografia a que pertence. Ora essa busca das origens, que significa não renegar nem esquecer o melhor do cinema italiano do pós-guerra, tem levado a que ele trace um quadro rigoroso e compadecido da sociedade italiana actual, sem nunca perder de vista uma perspectiva crítica.